×
Home
FocoNews
Clássico Rei
Carro e Campo
Mosaico
Fatos e Notas
Especial Foco
Fotos
RN em Foco
Espaço GEEK
Edições
Anuncie aqui
Fale conosco









#Fotos em
Destaque

FN Entrevista: O rádio potiguar em debateIsaías Paiva e Danilo Bezerra entrevistam o radialista Alexandre Henrique

Presente em 80% dos lares brasileiros, o rádio resiste ao tempo. Nossa conversa dessa semana é com o radialista Alexandre Henrique, que, além de trazer as histórias de sua profissão, discute a aualidade do rádio, novas plataformas e a importância da comunicação oral.


(Foto: Danilo Bezerra)
Paulo Macedo: vida e colunismo social no RNO jornalista e historiador Marcus César Cavalcanti narra fatos e realiza uma homenagem ao colunista

O maior nome do colunismo social do Rio Grande do Norte, jornalista Paulo Macedo, faleceu na tarde deste domingo (5), na cidade de Natal. O jornalista e historiador Marcus César Cavalcanti narra fatos e realiza uma homenagem ao colunista.
Profundo conhecedor da vida da sociedade natalense e entusiasta do jornalismo que busca a difusão de notícias positivas e visa o desenvolvimento social, Paulo Macedo marcou época nas páginas da Tribuna do Norte, do extinto Diário de Natal, na tela da TV Ponta Negra (SBT) e nas páginas da Revista Foco.


(Foto: Canindé Soares)

Entrevista: Ambientes virtuais atrativos para o ensinoDavi Koshiyama, Mestre em UX Design, explica a importância de espaços virtuais atrativos

A importância da customização e otimização de ambientes digitais de aprendizagem em pauta. O Foco News Entrevista conversa com Davi Koshiyama, Mestre em UX Design, para enteder como estão as inovações em no ensino a distância e sua problemática diante a pandemia. A mediação é de Danilo Bezerra e Isaias Paiva.


(Foto: Reprodução)

Professores levam material de estudo a alunos de LajesA escola adotou plataformas digitais e atividades impressas com foco na aprendizagem

A aprendizagem em tempos de pandemia requer inovação e o uso de todas as ferramentas disponíveis para que os estudantes possam dar continuidade aos estudos.  Com a suspensão das atividades presenciais nas unidades de ensino, medida de prevenção adotada pelo Governo do RN, os professores da Escola Estadual Pedro II, localizada em Lajes, pertencente a 8ª Diretoria Regional de Educação e Cultura (Angicos), adotaram uma metodologia de ensino que mescla ambientes virtuais e materiais didáticos entregues nas residências dos alunos. 

Envolvendo professores, gestão, equipe pedagógica, pais e alunos, a metodologia trata-se da realização de atividades contextualizadas sobre as implicações que o coronavírus traz nas áreas da saúde, educação e economia. Segundo a coordenadora pedagógica da escola, Irene Martins, os professores trabalham por meio de salas de aula virtuais, como a plataforma Classroom, da Google, além de grupos de WhatsApp, pelos quais os conteúdos e atividades são lançados, bem como plantões de orientação.

Ela também enfatiza a importância de alcançar os alunos que residem na zona rural de Angicos, sobretudo porque muitos destes não possuem acesso à internet para realização das atividades. “Aos que não têm acesso à internet fazemos a impressão das atividades com um guia de orientação explicativo para o aluno conseguir fazer sozinho, e vamos à zona rural entregar as atividades impressas, tomando sempre todos os cuidados e medidas de prevenção”, aponta a coordenadora. 

Ao todo, funcionam 13 turmas na escola com 385 alunos e ofertam o ensino médio regular e ensino técnico integrado, distribuídos nos três turnos. Para os alunos que residem no ambiente urbano, mas que não contam com internet em casa, os professores agendam um horário, a fim de que os pais possam pegar o kit de atividades impressas.

“Seguimos uma agenda. Na segunda, por exemplo, os professores da área de Linguagem postam as atividades e ficam no plantão, para tirar dúvidas com os alunos. Na terça os estudantes respondem e retornam as atividades para os professores. Na quarta é a vez das áreas das Ciências Humanas e Naturais, seguindo a mesma sequência. Por último, na quinta-feira, os alunos respondem, e na sexta retornam os conteúdos aos professores”, explica a coordenadora.

A iniciativa, que ao ser iniciada contava com a adesão de 70% do corpo docente, hoje envolver todos os professores da unidade de ensino, e contempla 100% dos estudantes, segundo aponta a diretora da escola, Ceiça Varela. “O trabalho que a coordenação pedagógica está desenvolvendo com os professores é de grande potencial. No meu ponto de vista, a coordenação pedagógica é o coração da escola e eu, enquanto gestora, sempre vou apoiar e participar das iniciativas em prol dos nossos discentes. Foi gratificante para nós irmos ontem a zona rural entregar as atividades remotas para eles”, avalia.


(Foto: Assessoria)
Vídeo: Livro Água de Grau mostra a Macau dos anos 60O jornalista Tadeu Oliveira relembra fatos que marcaram a cidade e os seus primeiros anos de vida

O cotidiano e lembranças nos idos dos anos 60 e 70, vivenciadas em Macau (RN), estabelecendo verdadeiro percurso pelas ruas em que morou e citando um tempo que marcou a história da juventude da época. Esse é o cenário do livro “Água de Grau – Macau que ainda se busca”, escrito pelo jornalista e sociólogo Tadeu Oliveira. A publicação é tema do Foco News Entrevista.


(Foto: Reprodução)

Giselda Trigueiro transfere 21 pacientes ao HUOLA operação de transferência contou com o apoio de seis unidades da rede pública hospitalar do Estado

A direção do Hospital Giselda Trigueiro fez um agradecimento público, na tarde desta segunda-feira (18), a seis unidades da rede pública hospitalar do Estado, que cederam ambulâncias para o Giselda fazer transferência de 21 pacientes para o Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL).  A operação teve o objetivo de aumentar a capacidade do hospital em receber mais enfermos com COVID-19.

O agradecimento foi direcionado aos Hospitais José Pedro Bezerra (Santa Catarina), João Machado, Maria Alice Fernandes, Deoclécio Marques de Lucena e Walfredo Gurgel, além do Hemonorte. Segundo o diretor geral do HGT, André Luciano de Araújo Prudente, a partir do empréstimo das ambulâncias, foi executada uma logística para a transferência dos pacientes em poucas horas, proporcionando um transporte com equipes e veículos adequados, sem nenhum dano às pessoas.

“A atitude altruísta das instituições parceiras contribuiu sobremaneira para o sucesso da operação, Isto significa que, quando os agentes gestores do SUS agem mutuamente, toda a sociedade ganha”.  Os agradecimentos foram extensivos ainda à Coordenadoria de Hospitais e Unidades Regionais (COHUR), Central Estadual de Regulação, Gabinete do Secretário Adjunto de Saúde do Rio Grande do Norte e ao HUOL, por terem atuado tão bem no apoio à logística.


(Foto: Reprodução)
Roberto Carlos em live pede que população use máscaraNome máximo da música brasileira, Roberto faz uma apresentação bonita e emotiva

Roberto Carlos se apresentou ao vivo neste domingo (19), direto de seu estúdio no Rio de Janeiro, para comemorar o aniversário de 79 anos. O pocket show foi transmitido pelo You Tube, Globoplay e seu início foi apresentado pela Rede Globo antecedendo o Fantástico. 

Entre sucessos como Detalhes, o rei aproveitou para reforçar um pedido durante a pandemia de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus: "Fique em casa". Ele ainda mostrou a máscara que estava usando antes de começar a cantar e ressaltou a importância do uso. "Só tirei porque preciso cantar, cantar de máscara é estranho", justificou.

"Quero dizer para vocês que estava usando essa máscara, ela está usada. Vocês têm que usá-la com certeza. Isso é uma defesa muito grande contra tudo isso que está acontecendo neste momento, que eu não gosto nem de falar o nome", disse Roberto.

Roberto lembrou dos profissionais que estão na linha de frente ao combate a Covid-19, como os caminhoneiros, categoria homenageada com uma canção em 1984, quebrando recordes em seu dia de lançamento, sendo a canção mais executada em um dia de estreia. 

Entre os versos de “É Preciso Saber Viver” (1974), apresentou seus dois acompanhantes. Mais próximo à câmera principal estava o maestro Eduardo Lage, colaborador há décadas do rei da música romântica e, ao fundo, Tutuca Borba. Ambos a uma distância calculada para essa quarentena.

Na playlist do espetáculo estiveram:

01 - Como é grande o meu amor por você

02 - É preciso saber viver

03 - Detalhes

04 - Caminhoneiro

05 - Canzone Per Te

06 - Nossa Senhora

07 - Amigo

08 - Eu te amo tanto

09 - Todos estão surdos

10 - Jesus Salvador

11 - Jesus Cristo

Ao final da apresentação, Roberto Carlos repetiu uma tradição das comemorações do seu aniversário, cortou um bolo e ofereceu aos fãs que acompanhavam a live. 


(Foto: Reprodução)

Morre o cantor e compositor Moraes MoreiraMoraes Moreira é conhecido como o primeiro cantor de trio elétrico do país, cantando no trio de Dodô e Osmar.

O cantor e compositor Moraes Moreira morreu na madrugada desta segunda-feira (13) aos 72 anos, em casa, no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro. Conforme a assessoria do artista, ele morreu por volta das 6h depois de sofrer um infarto agudo do miocárdio.

Segundo Eduardo Moraes, irmão do cantor, o corpo de Moraes Moreira foi encontrado após a chegada da empregada doméstica no apartamento em que ele morava. O artista vivia sozinho, segundo o irmão.

Ainda de acordo com a assessoria, as informações sobre o enterro não serão divulgadas para evitar aglomerações, recomendação de vários órgãos de saúde como prevenção à Covid-19.

Antonio Carlos Moreira Pires nasceu em Ituaçu, no interior da Bahia, em 8 de julho de 1947. Moraes Moreira começou tocando sanfona de doze baixos em festas de São João e outros eventos na cidade. Na adolescência aprendeu a tocar violão, enquanto fazia curso de ciências em Caculé, na região sudoeste da Bahia, em 1967.


(Foto: O Globo)
Governo do RN autoriza teletrabalho e trabalho voluntárioDe acordo com a publicação, o decreto estará em vigência "enquanto durar o estado de pandemia pelo novo coronavírus (Covid-19)

O Governo do Rio Grande do Norte publicou, em edição extraordinária do Diário Oficial do Estado, uma portaria em que autoriza o teletrabalho para servidores do Estado. A publicação é deste domingo (22).

De acordo com a publicação, o decreto estará em vigência "enquanto durar o estado de pandemia pelo novo coronavírus (Covid-19),  ficam os Secretários de Estado e os Dirigentes Máximo de Entidade autorizados a liberarem os servidores, os empregados públicos, estagiários, bolsistas, empregados terceirizados de áreas administrativas e demais colaboradores para execução de suas atividades na modalidade de teletrabalho".

O texto diz ainda que deve ser resguardado o número de pessoas em atividade presencial para que o serviço público continue sendo prestado de forma adequada.

A tramitação dos processos de teletrabalho inclusive, será prioridade a alguns grupos de servidores, como portadores de doenças respiratórias e cardíacas crônicas, devidamente comprovadas por atestado; gestantes ou lactantes, pessoas com filhos menores de 12 anos, diabéticos ou hipertensos; imunodeprimidos ou em tratamento oncológico; servidores que utilizam transporte público ou servidores que convivem com pessoas nestes grupos de risco.

Para serem autorizados ao teletrabalho, os servidores terão de preencher um ato de requisição, que serão submetidos à avaliação do gestor do órgão.

Trabalho voluntário

A portaria assinada pela governadora Fátima Bezerra também dispõe de uma regulamentação para o serviço de voluntário no âmbito da Administração Pública do Estado.

De acordo com o texto, a periodicidade e os horários da prestação do serviço voluntário poderão ser livremente ajustados entre o órgão ou entidade estadual e o voluntário, de acordo com a análise de conveniência de ambas as partes. Com informações da Tribuna do Norte. 


(Foto: Assecom)
Delegação do RN embarca para Torneio Nacional de RobóticaOs alunos do SESI-RN vão concorrer por dez equipes, no Pavilhão da Bienal do Parque Ibirapuera.

A delegação do Rio Grande do Norte que vai participar do 2º Festival SESI de Robótica, em São Paulo, embarcou ao meio-dia desta quinta-feira (5), no Aeroporto Internacional Aluízio Alves, na Grande Natal. O grupo é formado por 66 integrantes, dos quais 51 alunos das unidades do SESI em Natal, São Gonçalo do Amarante e Mossoró, que estarão nas competições e demonstrações a partir desta sexta-feira (6) e domingo (8). Além dos jovens que vão disputar as três modalidades do torneio, a delegação é formada também por técnicos e coordenadores.
Os alunos do SESI-RN vão concorrer por dez equipes, no  Pavilhão da Bienal do Parque Ibirapuera. Cidades inteligentes e a sociedade do futuro são os temas que vão nortear as atividades dos times, que chegam a São Paulo preparados para colocarem robôs voltados a solucionar problemas de engenharia civil, mobilidade e urbanismo, de forma inovadora e criativa. Tudo isso feito por crianças e jovens de 9 a 18 anos.
Os alunos do Rio Grande do Norte viajaram empolgados a enfrentarem esses desafios e com o aprendizado que terão no Festival. “Tomara que a gente consiga trazer um prêmio para o Estado, mas independente disto, voltaremos com muito conhecimento e aprendizagem”, disse Gabriel Felipe Mendes de Brito, 16 anos, da equipe Teccactus, estudante do SESI de São Gonçalo do Amarante. “A robótica faz com que o aluno aprenda a ser um cidadão, porque lida com um mundo diferente, tecnologia, aos programarmos os carrinhos e robôs, mas sobretudo aprendendo com pessoas que interagem conosco”, afirmou Ruan César 17 anos, aluno da Unidade do SESI de Mossoró.
Torneios nacionais
O Festival  começa nesta sexta-feira (6) no Pavilhão da Bienal em São Paulo. AS competições de robótica serão nas modalidades FIRST LEGO League (de 9 a 16 anos) e FIRST Tech Challenge (de 12 a 18 anos) e simulação de escuderias de Fórmula 1 (F1 in Schools). Pela primeira vez, o Festival de Robótica apresenta o FIRST Robotics Competition, um desafio com adolescentes de ensino médio programando e comandando robôs em tamanho industrial. Nesta sexta, o Festival receberá também o Seminário Internacional SESI de Educação, com transmissão ao vivo no site oficial do evento.


(Foto: Assessoria)
Detran-RN é o único do Nordeste sem CRLV digitalSegundo o Contran, o motorista poderá, opcionalmente, utilizar uma via impressa do CRLV, que terá a mesma validade do documento digital.

O Departamento de Trânsito do Rio Grande do Norte (Detran-RN) é o único entre os Estados do Nordeste que ainda não implementou o uso digital do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). De acordo com a Autarquia, a versão digital do documento está em fase de implantação e ajustes necessários, mas ainda não há uma data certa para o lançamento. 

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou no início deste ano, um prazo até 30 de junho para que os Detrans de todo o país estejam adequados a fornecer aos motoristas a nova versão digital do CRLV, o CRLV-e, como foi chamado pelo Contran. Quando implantado, o CRLV digital ficará disponível no aplicativo da Carteira Digital de Trânsito (CDT), mesmo que já é usado pelos condutores que possuem a CNH digital, disponível desde março de 2018 no Rio Grande do Norte.

Segundo o Contran, o motorista poderá, opcionalmente, utilizar uma via impressa do CRLV, que terá a mesma validade do documento digital. A diferença é que o documento será impresso em papel comum, validado por um QR Code específico. “O CRLV-e somente será expedido após a quitação dos débitos relativos a tributos, encargos e multas de trânsito e ambientais, vinculados ao veículo.” revelou o o ministro substituto da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, em declaração dada no mês de janeiro.

No Nordeste, Estados como Ceará, Pernambuco e Sergipe utilizam a versão digital do CRLV desde 2018, enquanto Bahia, Alagoas e Maranhão disponibilizaram a ferramenta no ano passado. Os últimos dois Estados a adotarem o uso do CRLV-e foram a Paraíba e o Piauí, já em 2020.

Hoje, para obter o CRLV no Rio Grande do Norte, o motorista precisa estar em dia com o Detran e ir até umas das sedes do Órgão para solicitar a emissão do documento, ou pedir para que seja entregue em seu endereço. com a versão digital, o CRLV ficaria disponível automaticamente no aplicativo após a quitação dos débitos referentes ao licenciamento do veículo. com informações da Tribuna do Norte.


(Foto: Assecom)
Legislativo discute com servidores a PEC da previdênciaO deputado estadual Sandro Pimentel considera nocivo ao processo democrático que uma mudança tão importante e estrutural quanto essa seja feita às pressas

Na intenção de promover o diálogo entre os servidores públicos estaduais e a Assembleia Legislativa, que discutirá e votará ao longo dos próximos dias a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 002/2020 da reforma previdenciária estadual, o deputado estadual Sandro Pimentel (PSOL) organizou audiência pública, que aconteceu nesta quinta-feira (13), no auditório deputado Cortez Pereira, abordando os impactos e perspectivas da reforma. Os servidores estaduais haviam desistido da mesa de negociação por desacordo com as propostas apresentadas anteriormente pela governadora Fátima Bezerra.

O deputado estadual Sandro Pimentel considera nocivo ao processo democrático que uma mudança tão importante e estrutural quanto essa seja feita às pressas e sem o tempo necessário para a discussão. Na audiência, ele informou que a Assembleia Legislativa recebeu o texto da PEC naquela manhã e o referido texto tramitará nas comissões internas de forma ordinária (sem regime de urgência). “Entendemos que essa matéria precisa ser debatida exaustivamente. Estamos lidando com vidas de pessoas. Precisamos olhar a situação do estado com esse déficit, que não foi criado pelo servidor, mas ele existe. Mas também olhar para a grande parcela dos servidores que já estão com esse prejuízo de achatamento de salários há algum tempo”, falou.

Na ocasião, o parlamentar destacou algumas partes do texto da PEC, a título de informação, partindo do artigo 4º, que trata das alíquotas. Ele comentou também sobre o prazo da reforma estadual. Questionou o fato de a PEC 103, que é a federal, deixar bem claro que as previdências complementares e adequações da reforma têm prazo de até dois anos para serem feitas. “Portanto, na nossa opinião, essa informação de que o prazo é até julho não precede”, completou.

O presidente do Instituto de Previdenciária dos Servidores Públicos do Estado (Ipern), Nereu Linhares, que já esteve em outras ocasiões na Assembleia falando sobre previdência, prestou mais esclarecimentos sobre o assunto. “Fico muito feliz de ter ouvido do deputado Sandro Pimentel que o déficit existe. Não é do servidor, mas ele existe. O déficit é público, está no portal da transparência, que é de R$ 140 milhões/mês, e esse déficit é crescente. Os servidores têm que entender que no financiamento da previdência só existem dois financiadores, o governo e o servidor. Isso é ruim, mas é a realidade”, ressaltou.

Em seguida, o presidente do Ipern buscou responder os questionamentos do deputado Sandro Pimentel. “A gente não teria como dissecar o projeto todo hoje, mas sobre o artigo 4º, que foi questionado pelo deputado propositor, a alíquota passará de 11 para 14% porque a Constituição Federal fala que a alíquota dos servidores estaduais não poderá ser inferior à alíquota federal. Com relação a questão dos prazos, disposto no artigo 33 em diante, o prazo de dois anos é para a implantação da previdência complementar, que é onde o servidor vai fazer um depósito para ter um rendimento futuro”, respondeu.

O deputado Sandro Pimentel havia perguntado também o porquê dos servidores da UERN não terem sido contemplados pela aposentadoria especial. Por sua vez, Nereu Linhares informou não ser possível em virtude da lei. Ele explicou ainda que o governo não tem mais poder para interferir no texto a partir do momento que mandou para a Assembleia, que discutirá, votará e ao final irá promulgar, já que trata de uma PEC, não havendo necessidade de promulgação pelo Poder Executivo.

O auditor fiscal, Eliazar de Brito, destacou o déficit orçamentário do estado gerado em função de repasses de recursos para o orçamento do Ipern. De acordo com ele, isso gerou, indiretamente, o atraso de pagamento dos servidores. Ele também explicou que a questão previdenciária tem natureza tributária, onde o princípio que é aplicado é da noventena, ou seja, será necessário esperar 90 dias para começar a descontar a alíquota do servidor. “É preciso deixar isso bem claro, para não atropelar os fatos. Com certeza, a Assembleia vai se debruçar nesse texto e eles vão tentar adaptar o que for possível, lembrando que a previdência rege apenas a aposentadoria dos servidores públicos estatutários. Os cargos comissionados são regidos pelo regime geral, onde o responsável é o INSS”, disse.


(Foto: João Gilberto)
Marcus César faz entrega de kits escolares em Lagoa NovaAs entregas foram feitas em comunidades da zona rural e do setor urbano do município localizado na região Seridó do RN

O diretor da Revista Foco Nordeste, jornalista Marcus César Cavalcanti, faz entrega de kits escolares na comunidade rural de Sítio Macambira 3, no município de Lagoa Nova, região Seridó do RN, na tarde do sábado (01), beneficiando diretamente a mais de 100 crianças em idade escolar. O jornalista, na oportunidade, esteve acompanhado da professora Socorro Ramos, sua esposa, do ex-prefeito Erivan Costa e dos amigos Raimundo Daniel e Vitória Bezerra.

Na sequência, a comitiva do jornalista Marcus César esteve nos bairros “Jesus Menino” e “Dona Bela”, no centro urbano de Lagoa Nova, em reunião no período da tarde com cerca de 50 mães, para a entrega de kits escolares. Na oportunidade, a professora Socorro Ramos falou sobre o significado concreto da entrega dos kits, que têm como objetivo contribuir com algo de grande  importância para o futuro das crianças, que é o aprendizado, com o incentivo à leitura e à prática da escrita.

Marcus César ressaltou a preocupação com o aspecto educacional e social das pessoas, e a necessidade da inclusão  do conhecimento como ponto de fundamental importância.


Jornalista da Foco Nordeste na entrega de kits escolares
Websérie destaca fatos históricos do RN na 2ª GuerraA ação faz parte do projeto Natal & Parnamirim Field na Segunda Guerra, idealizado pelo Sebrae

“Ouvindo um alerta aéreo lembre-se de que o menor descuido seu deixando uma luz visível pode fazê-lo a primeira vítima de uma grande catástrofe”. A frase faz parte de um cartaz da década de 40, quando a cidade de Natal era obrigada a ter blackouts à noite para não sofrer ataques aéreos por abrigar bases naval e aérea norte-americanas durante a Segunda Guerra. Fatos como esses estão registrados na websérie ‘Homi Deixe de Guerra’, que conta fatos históricos e curiosidades sobre a participação do Rio Grande do Norte no conflito. Os vídeos fazem parte do projeto Natal & Parnamirim Field na Segunda Guerra e são produzidos pelo Sebrae no Rio Grande do Norte.

A cada semana, é publicado no canal do Sebrae no YouTube e na página do projeto (www.segundaguerra.com.br) um novo episódio da série, sempre trazendo um recorte da história da cidade à época e da presença dos soldados combatentes norte-americanos em solo potiguar. Até agora, foram veiculados sete vídeos. O primeiro trata da participação da cidade no conflito e do pioneirismo de Natal na aviação desde 1927, quando o piloto e escritor francês Paul escolheu a região para construir um campo de aviação que serviu de parada para os voos entre Paris e Buenos Aires. Até os alemães da Lufthansa passaram a sobrevoar o Atlântico passando pelo Rio Grande do Norte.

Já o segundo episódio da websérie destaca o icônico episódio do encontro entre Getúlio Vargas e Franklin Delano Roosevelt em Natal, cena que ficou famosa por retratar a risada do presidente dos Estados Unidos a bordo de um Jipe na Rampa. A presença de estrelas mundiais e famosos em Natal para alegrar e levantar o moral dos soldados que estavam na cidade é foco do terceiro episódio. O vídeo ressalta os bailes, clubes e festas ao som das big bands e jukeboxes que passaram a animar cidade e como a influência em toda a cultura local, inclusive no modo de falar. Expressões, como ‘ok’, ‘bye, bye’ e ‘oh yeah’, foram incorporadas ao modo de falar local.

O quarto vídeo destaca um dos mais imponentes ícones da presença das tropas americanas no cotidiano da cidade, o Grande Hotel. O empreendimento foi arrendado em maio de 1939, mas só começou efetivamente a funcionar em setembro daquele ano. Os primeiros norte-americanos que chegaram a cidade foram os técnicos da ADP, com a função especifica de trabalhar no desenvolvimento de Parnamirim Field e foi para o Grande Hotel que eles se dirigiram em busca de algum conforto. Logo o inglês, depois do português, passou a ser o idioma mais falado nos bares, restaurantes, boates e no comércio local.


(Foto: Divulgação)
Abertas inscrições da Mostra MacambiraMostra de cinema reunirá obras dirigidas por mulheres de todo o Brasil

Com o intuito de dar visibilidade e promover o debate de filmes dirigidos por mulheres, a Macambira - Mostra de Cinema de Realizadoras, é um evento gratuito e não-competitivo que abre espaço para a produção audiovisual potiguar e nacional. As inscrições estão abertas até o dia 16 de fevereiro de 2020 e o evento acontece no mês de março em Natal (RN). 

Podem ser inscritos curtas-metragens finalizados a partir de janeiro de 2017, sem restrição de gênero, desde que dirigidos por mulheres realizadoras (cis, trans, travestis, não bináries) de nacionalidade brasileira.  É permitida também a inscrição de obras que tenham sido co-dirigidas com homens.

O objetivo é dar visibilidade às obras, em formato de curta e longa-metragem, de diretoras e promover um espaço de diálogo sobre feminismo e cinema, trazendo pautas urgentes como representatividade no cinema, considerando recortes de raça, classe, identidade de gênero e identidade sexual,  por exemplo.

Para se inscrever, é necessário preencher o formulário online que está disponível nas redes sociais e blog oficial da Mostra. A primeira edição da  Mostra Macambira é  promovida pela Mulungu Audiovisual e Salobra Filmes e conta com o patrocínio do Fundo de Incentivo à Cultura – FIC 2018, lançado pela Prefeitura do Natal através da Fundação Cultural Capitania das Artes.

Mais informações: https://mostramacambira.wordpress.com/


(Foto: AFP)
Medicina sobe nota de corte de instituições publicas no RNNotas de ponto de corte são atualizadas todos os dias à meia-noite enquanto ocorre a inscrição

Os candidatos que buscam uma vaga no curso de medicina em uma instituição de ensino do Rio Grande do Norte precisarão superar notas de corte que circulam entre 736,04 - na Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa) em Mossoró - e 884,56 - na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Caicó).

A média da cidade do Seridó, inclusive, é a sexta maior de todo o país, segundo as notas divulgadas às 0h desta quarta-feira, 22, no portal do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A maior nota foi registrada em Universidade Federal do Maranhão (UFMA) na ampla concorrência, quando o candidato que estava no limite das 25 vagas somou nota de 928,13.

De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Educação, serão 20 vagas ofertadas na modalidade da ampla concorrência no Campus Caicó da UFRN, maior nota de corte de todo o Estado. A instituição segue adotando o argumento de inclusão, que é quando é acrescentado um bônus de 20% na nota final para os candidatos que tenham cursado o último ano do ensino fundamental e o ensino médio completo em escolas públicas ou privadas em 15 microrregiões do RN e PB (excluindo os candidatos que concluíram por meio de exames supletivos). Ainda existem 20 vagas na instituição distribuídas em cotas sociais.

Já em Mossoró, na Unidade Sede da Ufersa, a nota de corte para a ampla concorrência no curso de medicina estava em 736,04 no balanço divulgado pelo Ministério da Educação, às 0h desta quarta-feira. A nota foi a menor registrada (na ampla concorrência) nas instituições de ensino do RN. A Ufersa, no entanto, não adotou o argumento de inclusão para a oferta do curso. Com informações da Tribuna do Norte. 


(Foto: UFRN)
TJ delibera sobre funcionamento de lojas no Hiper NatalO tribunal também suspendeu a determinação da realização de uma assembleia com todos os lojistas envolvidos

O desembargador Virgílio Macedo Jr, do Tribunal de Justiça do RN, suspendeu decisão judicial de primeira instância que assegurava a permanência e o funcionamento pleno das atividades de três lojistas nos imóveis localizados na unidade do Hipermercado Bompreço Prudente de Morais até o dia 31 de janeiro de 2020. A decisão suspensa também assegurava o funcionamento regular dos serviços de vigilância, limpeza das áreas comuns, estacionamento e climatização das áreas em que se encontram os lojistas.

O magistrado também suspendeu a determinação da realização de uma assembleia com todos os lojistas envolvidos, no prazo de dez dias. O objetivo seria prestar as informações devidas, inclusive com a indicação de um preposto responsável pelo cumprimento das medidas ora determinadas, tudo sob pena de multa diária.

O caso

O Bompreço Supermercados do Nordeste Ltda. recorreu de decisão da 9ª Vara Cível de Natal, que, nos autos de Ação de Cautelar ajuizada por quatro empresários, suspendeu os efeitos da notificação endereçada a eles pelo Bompreço e, assim, assegurou-lhes a permanência nos imóveis que funcionam das dependências do estabelecimento comercial e o funcionamento pleno de suas atividades até o dia 31 de janeiro de 2020.

A decisão de primeira instância também assegurava o funcionamento regular dos serviços de vigilância, limpeza das áreas comuns, estacionamento e climatização das áreas em que se encontram os lojistas, e determinou ao Bompreço, no prazo de dez dias, a realização de uma assembleia com todos os lojistas envolvidos, com o objetivo de serem prestadas as informações devidas, inclusive com a indicação de um preposto responsável pelo cumprimento das medidas que foram determinadas judicialmente, tudo sob pena de multa diária no valor de R$ 2 mil.

Recurso

No recurso ao TJRN, o Bompreço alegou que notificou os lojistas do encerramento imediato do hipermercado, com a inequívoca rescisão da sublocação em 30 dias, portanto, em 6 de dezembro de 2019, não podendo ser obrigado ao pagamento dos custos para a manutenção do imóvel após a referida data, eis que ausentes os fundamentos jurídicos para a manutenção da sublocação até 31 de janeiro de 2020. A empresa defendeu a possibilidade de denúncia dos contratos firmados com dois dos lojistas, eis que vigentes por prazo indeterminado, conforme a Lei de Locações, devendo os locatários desocupar os imóveis no prazo de 30 dias.

Argumentou que um terceiro lojista encontra-se inadimplente e já foi deferida liminar de despejo em seu desfavor em Ação de Despejo. Disse, ainda, que os contratos firmados contém cláusula na qual os sublocatários concordam em terminar a locação, devolvendo a área, na hipótese de a sublocadora encerrar suas atividades no local em caráter definitivo, sem direito de qualquer indenização ou retenção, o que ocorreu na hipótese.

Decisão

Ao analisar o caso, o relator observou que o contrato de locação pactuado entre o Bompreço Supermercados do Nordeste e os lojistas foram firmados por prazo indeterminado, outro, ao término do prazo de duração, passou a vigorar por tempo indeterminado e que, pela Lei de Locações (Lei nº 8.245/1991), não há qualquer ilegalidade na notificação dos lojistas acerca da renúncia do contrato e concessão de 30 dias para desocupação dos imóveis.

Quanto a um terceiro lojista, constatou que a existência de inadimplemento contratual por falta de pagamento, o que ensejou o ajuizamento da Ação de Despejo, onde já houve o deferimento de liminar para desocupação do imóvel com amparo na Lei de Locações. Já quanto a um quarto contrato de locação pactuado com um outro lojista, observou que foi firmado por prazo determinado, até 9 de março de 2021, e que, até então, não há qualquer indício de inadimplemento contratual.

Com relação a este último, o relator considerou que é possível afirmar a existência de abusividade contratual na Cláusula 18.2 dos contratos de locação, vez que esta prevê a concordância dos sublocatários em terminar a locação, devolvendo a área na hipótese de a sublocadora encerrar suas atividades no local em caráter definitivo, afastando qualquer direito de indenização ou retenção, em afronta à Lei de Locações (Lei nº 8.245/1991).

Desse modo, vislumbrou a probabilidade do direito do Bompreço quanto à suspensão dos efeitos da decisão de primeiro grau em relação a três dos lojistas. “Ademais, é evidente o risco de lesão grave ou de difícil reparação, vez que a manutenção indevida dos sublocatários nos imóveis após o encerramento das atividades do hipermercado gera diversos custos ao agravante”, assinalou o desembargador Virgílio Macedo Jr.


(Foto: Sebrae)
RN faz formatura para alunos da rede profissionalCerca de 2800 pessoas participaram da cerimônia que reuniu seis centros estaduais de educação profissional

”É o fim de um ciclo que foi bastante feliz. Depois de estudar muito, receber o grau de nível técnico é uma grande vitória”, esse foi o sentimento Stiveanalisson Melo, estudante do curso de Informática da rede estadual de educação que, junto com outros 724 alunos, colou grau na formatura dos Centros Estaduais de Educação Profissional, realizada na noite de ontem (9) em cerimônia sediada no Centro de Convenções de Natal.

Prestigiada por autoridades, gestores, professores, pais e alunos, a formatura foi marcada por um misto de alegria pelo grau de formação alcançado e saudade pela despedida do ensino médio. “Muito do que seremos, daqui a diante, se deve ao que vivemos em nossa escola, no meu caso, o CENEP. Estamos todos muito entusiasmados”, completa Stiveanalisson, que pretende buscar vaga em um curso da Tecnologia da Informação.

Presidente da assembleia de formatura, o secretário de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer do RN, professor Getúlio Marques, destacou que esse momento é fruto de um trabalho iniciado em 2008, pelo então secretário de educação Ruy Pereira, e que agora se consolida como uma política de estado. “São as primeiras turmas dos novos centros de educação profissional. São jovens que estão se formando em diversos cursos. Isso mostra que estamos no caminho certo. A governadora Fátima Bezerra elegeu o ensino como uma prioridade e nossa missão é ampliar os centros e, consequentemente, as vagas da educação profissional, permitindo que mais jovens sejam preparados para o mercado ou universidades”, frisou Getúlio.

O RN conta com 67 unidades de ensino profissional que, no último ano, atendeu 7.592 alunos em diversas regiões do Estado. Trabalhando para a expansão, o Governo do RN, por meio da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC), está construindo dois novos centros, um em Macaíba e outro em Assu. Com previsão de conclusão neste ano, as novas unidades integrarão a rede de educação profissional, que chegará a 11 centros estaduais.

No total, seis unidades de ensino participaram da cerimônia: os centros estaduais Sen. Jessé Pinto Freire (Natal), Prof. João Ferreira Faustino (Natal), Prof. Hélio Xavier de Vasconcelos (Extremoz), Dr. Ruy Perreira dos Santos (São Gonçalo do Amarante), Profª Lourdinha Guerra (Parnamirim) e Ruy Antunes Pereira (Ceará-Mirim). Os formandos concluíram um dos seguintes cursos: Administração, Informática, Manutenção e Suporte em Informática, Nutrição e Dietética, Meio Ambiente, Recursos Humanos, Edificação, Segurança do Trabalho e Sistemas de Energia Renováveis.

A cerimônia foi organizada pela Subcoordenadoria de Educação Profissional (SUEP) da SEEC, que contou com toda a sua equipe desde a recepção de alunos e familiares a entrega formal dos diplomas de formatura. “Cerca de 2800 pessoas estiveram presentes na cerimônia. Foi uma bonita consagração de um trabalho que todos os dias acontece em nossas escolas: o ofício de ensinar aos nossos jovens”, destaca Sayonara Rêgo, coordenadora da SUEP.

Também estiveram presentes no evento o secretário Desenvolvimento Econômico do RN, Jaime Calado, e o deputado estadual Sandro Pimentel.


(Foto: Demis Roussos)
Escola tem projeto de literatura afro voltado para a mulherIniciativa pioneira da Escola Berilo Wanderley, em Natal, tem adesão de alunas e avança pela via do fortalecimento da auto-estima aliando o pedagógico ao cultural

Projeto inovador voltado para a literatura afro-brasileira de autoria feminina tem movimentado a comunidade da Escola Estadual Berilo Wanderley, localizada na Zona Sul de Natal. O projeto “BW Literatura” é um dos principais destaques do Circuito de Aprendizagem da Escola durante todo o ano. “Procuramos abordar questões relacionadas ao feminismo negro, às relações étnico-raciais e a estética do cabelo como elemento constitutivo da identidade negra no espaço escolar”, informa Marliane Azevedo, professora de Língua Portuguesa e Literatura, orientadora do projeto.

O projeto “BW Literatura” tem a participação de 32 jovens alunas das turmas do 2º ano do ensino médio do matutino e vespertino, e do 3º ano do matutino. Tem utilizado autoras praticamente desconhecidas pela maioria da comunidade escolar e promovido oficinas temáticas com estudiosas e pesquisadoras sobre temas presentes na cultura afro-brasileira. Durante o ano de 2019 as oficinas abordaram conteúdos como: identidade negra; feminismo negro e empoderamento; e a boneca abayomi (significado, história e oficina vivencial). As oficinas aconteceram em sintonia com os conteúdos das obras estudadas ao longo do ano: “O livro dos cachos”, de Sabina Giampá; “Quem tem medo do feminismo negro?”, de Djamila Ribeiro; “Eu, empregada doméstica”, de Preta Rara; “Memórias da plantação”, de Grada Kilomba; e “Talvez precisemos de um nome para isso”, de Stefanie Borges.

“Hoje após dois anos do surgimento do projeto de literatura afro posso afirmar que a receptividade dos temas abordados tem sido muito positiva. A maioria das alunas que buscaram o projeto no início do ano foram motivadas por histórias de vida marcadas por uma falta de identidade, de auto-pertencimento a um grupo do qual elas imaginavam fazer parte, mas não tinham argumentos para se auto afirmar”, afirma Marliane Azevedo, professora de Língua Portuguesa e responsável pelo projeto.

Marliane Azevedo destaca que o projeto é hoje um espaço de discussão, relatos e fortalecimento. “Esse ano em especial a temática da estética do cabelo na construção da identidade negra ganhou a adesão de muitas alunas que buscavam um espaço para falar sobre o tema, desabafar suas aflições e relacionar com as vozes das intelectuais negras presentes nas obras literárias”, diz.

Em seu início, o projeto BW Literatura teve que partir para o esforço de convencimento junto ao alunado. “Vários alunos e alunas questionaram na época, início de 2018, o fato de a escola ser pouco representativa, mas a comunidade escolar do Berilo Wanderley já tinha duas gestoras negras, e em seu quadro de professores aproximadamente 30% são negros e no alunado a representatividade é bem expressiva”, ressalta Marliane.

Depoimentos de alunas indicam a satisfação em participarem do projeto que, pela via da leitura da literatura afro e pela via da discussão sobre o contexto social no qual vivem, contribui no fortalecimento da confiança, na descoberta e no orgulho de um pertencimento, e na abertura de horizontes. “O projeto para mim foi algo que mudou minha vida, começando pelo livro “Quando me descobri negra”, de Bianca Santana. Depois que li despertei para a minha verdadeira identidade. O nosso grupo me tornou e está me tornando a cada dia, mais empoderada, mais livre e me dando mais consciência da mulher negra que eu sou”, diz a estudante Estelita, do 3º ano.

“Embora tivesse noção do racismo, e muitas vezes me considerasse antirracista, não compreendia a importância das cotas raciais, por exemplo. Com o projeto de literatura afro pude abrir meus horizontes e compreender o que é realmente o racismo, além de me descobrir como mulher negra”, fala a aluna do 2º ano, Kayllany.

Os depoimentos das alunas seguem na linha da descoberta e de  tomada de posições. “O projeto me ajudou a crescer como pessoa, a conhecer autoras que, enquanto estudava na escolar particular, nunca tinha ouvido falar”, conta Gabriela, aluna do 3º ano.

“Devido o que aprendi no projeto convenci minha irmã a não alisar mais seus cachos. Mostrei para ela que seus cachos são maravilhosos. Cada dia que passa, a vejo assumindo mais e mais seus cachos e isso me deixa bastante feliz”, conta Mariana, aluna do 2º B.

“Quando entrei no projeto tinha uma mentalidade, hoje tenho outra. No projeto, pude me conhecer e conhecer minha origem negra, além de aprender sobre mulheres incríveis e impactantes, e parecidas comigo, seja no cabelo, seja na pele. É muito importante saber que não existe só o padrão estabelecido pela mídia, de princesa somente branca. Pude pensar nos livros que leio, a maioria escritos por homens e brancos. Guardarei pra sempre a relevância do BW literatura em minha vida, o que aprendi irei compartilhar por aí”, diz Mariana Helena, aluna do 3º ano.

A condução do projeto de literatura afro voltada para a mulher teve também significativos reflexos sobre a educadora responsável pelo projeto. “Posso afirmar que aprendi muito mais do que ensinei. As alunas que estiveram no projeto nesses dois anos me ensinaram sobre superação, empoderamento, amorosidade. Algo que ficou muito forte: a necessidade de se ter um espaço para o diálogo a partir da literatura. Com o projeto, o meu amor pela literatura aumentou e em especial me tornei uma apaixonada pela literatura afro-brasileira, aqui recortada por mim como a literatura produzida por escritoras negras brasileiras que tematizam a história e a cultura negra”, afirma Marliane Azevedo.

A abrangência do Circuito de Aprendizagem da Escola Estadual Berilo Wanderley, localizada em Natal, evidencia a força de um bem feito planejamento unindo o pedagógico ao cultural e apresenta-se como referência em matéria de ensino/aprendizagem a ser seguida.

A iniciativa do Circuito de Aprendizagem, este ano em sua terceira edição, substituiu a tradicional “feira de ciências”, e conseguiu produzir uma eficaz interação entre professores e alunos, tanto na adesão como na execução dos projetos escolhidos. 32 projetos que, depois de serem desenvolvidos durante todo o ano letivo, abordando as mais variadas áreas do conhecimento científico e cultural, foram apresentados nos dias 19 e 20.

A Escola Estadual Berilo Wanderley, localizada no bairro de Neópolis, na Zona Sul de Natal, tem hoje 900 anos, distribuídos em 28 turmas. Funciona nos três turnos contando com turmas do Novo Ensino Médio; técnico em informática; Noturno diferenciado; e Ensino Médio modalidade normal.

Marliane Azevedo é professora de Língua Portuguesa em 10 turmas: quatro de 3º ano e seis de 2º ano, nos turnos vespertino e matutino.


Equipe do projeto de literatura afro-brasileira (Foto: Danilo Bezerra)
Escola Berilo Wanderley tem projeto que valoriza escritoresO projeto desenvolvido por educadores valoriza alunos, professores e funcionários que já atuam como escritores

Projeto de estímulo à leitura e à escrita mobiliza alunos, professores e funcionários de escola pública estadual na Zona Sul de Natal e avança em um processo virtuoso de criatividade e aquisição de conhecimentos, e de efetiva participação da biblioteca na vida da comunidade. O projeto “Semeando escritores no espaço da escola”, desenvolvido na Escola Estadual Berilo Wanderley, localizada no bairro de Pirangi, está estimulando os alunos e toda a comunidade escolar ao gosto pela leitura e pela escrita.

O projeto tem como meta a coletânea de textos e poemas de autoria de estudanrtes, professores e funcionários da Escola já publicados em livros e, principalmente, na internet, em redes sociais, blogs e sites, para posterior publiçação. Com isso, a Escola, ao mesmo tempo, valoriza e incentiva seus escritores, fazendo com que a comunidade descubra seus trabalhos, e estimula vários outros talentos que fazem parte do ambiente escolar. Com o projeto, a Escola também avança no incentivo à prática da leitura e da escrita no contexto da comunidade na qual está inserida.

“Muitos dos alunos já escreviam antes do nosso projeto em sites e blogs. Temos vários escritores aqui (na escola) que são muito bons”, diz a professora Maria da Paz Lima, responsável pela Biblioteca “Maria Salonilde Ferreira”, da Escola Berilo Wanderley. Aberta permanentemente em horários de aula, a biblioteca é hoje um espaço vivo que busca congregar talentos e estimular a todos para a prática da leitura e da escrita, que conta constantemente com as presenças de estudantes, professores e também de funcionários.

Apesar de ter um bom acervo, segundo Maria da Paz, a biblioteca tem a necessidade de maior número de livros devido à crescente demanda que nasce do crescimento do interesse dos alunos pela leitura. “Em média, os estudantes lêem dois livros por mês. Existem alunos que chegam a ler doze livros por bimestre”, acrescenta Maria da Paz.

O nível alcançado pelos estudantes leitores da Escola Berilo Wanderley avança para a capacidade de discernimento e entendimento até dos estilos empregados pelos escritores internacionalmente famosos. “Os alunos têm a condição de fazerem analogia, por exemplo, sobre escritores como Jane Austen, Sidney Sheldon e Morris West”, fala Maria da Paz.

Escritores da escola, da vida e do conhecimento

O projeto, que procura divulgar no âmbito escolar os trabalhos feitos pelos alunos, professores e pessoas da comunidade escolar, tem fortalecido mais ainda o desejo pela leitura e até o surgimento de novos escritores. A “Coletânea Literária Sementes”, que está sendo produzida pelo projeto, reúne variadas obras escritas, prosas e poesias, pelos membros da comunidade escolar.

Felipe Sales, 17 anos, aluno do 2º ano do Ensino Médio, já tem mais de 150 textos escritos em blogs na internet. É hoje parte efetiva do projeto da “Berilo Wanderley” com o seu texto “O oceano de palavras”.

O escritor macauense João Maria Fraga, professor de História da "Berilo Wanderley" e advogado, é hoje um dos nomes integrantes no rol de autores de obras e textos que atuam na instituição de ensino. Seu livro “Tecedores de sonhos ao luar” está fazendo parte do processo de divulgação do projeto "Semeando escritores no espaço da escola".

Em um variado conjunto sempre crescente de novos escritores no projeto, também despontam funcionários como Aldemira Maria Rocha, copeira, que trabalha há 15 anos na “Berilo Wanderley”, com textos na coletânea, e estudantes como Desirre Dantas, 15 anos, do 1º ano do Ensino Médio, com presença na poesia e na prosa.

A estudante Laisa Tereza de Oliveira Santos (escritora com o pseudônimo de Laiza Tezz), 15 anos, do 1º ano do Ensino Médio, mostra entusiasmo pelo projeto. “É muito importante. Tem gente que escreve, mas não mostra. É essencial para a juventude de hoje em dia. Esse trabalho que fazemos dentro da escola é bom, já que é em um ambiente fechado e o nosso tempo é valorizado”, afirma.

O trabalho da professora Maria da Paz Lima à frente da biblioteca da “Berilo  Wanderley” conta com a contribuição de duas outras educadores, Cláudia Fernandes (coordenadora escolar) e Jussara Freire (professora do Laboratório de Informática e mestre em Ciência e Biologia).


Estudantes assistema depoimentos de escritores da Escola na biblioteca
Macaíba desenvolve projetos de cidade educadora Cidade da região metropolitana de Natal avança em projeto amplo visando a verdadeira educação integral

Dizer que a educação representa um desafio para a sociedade é algo que já virou clichê de tão repetido ao longo do tempo. Educação como desafio a ser enfrentado e a ser proposto já se encontra na própria natureza da relação ensino/aprendizagem. Para o enfrentamento desse desafio perene, especialistas na arte do ensino formulam os mais variados projetos e propõem múltiplos mecanismos inovadores que, a despeito da boa vontade empreendida, não passam de “mais do mesmo”.

A cidade educadora, projeto integrador de interesses sociais direcionado para o ensino/aprendizagem, desponta como uma fórmula diferente com abrangência que vai além dos muros escolares e do saber formal concebido e elaborado por ignorantes da realidade do contexto social vivido por alunos e educadores.

“Uma cidade educadora é aquela que reconhece, promove e exerce o papel educador na vida das pessoas, assumindo como desafio permanente a formação integral de seus habitantes. Na cidade educadora, além de diferentes políticas, espaços, tempo e atores, são compreendidos como agentes pedagógicos capazes de apoiar o desenvolvimento de todo o potencial humano”, ressalta o professor e sociólogo Domingos Sávio de Oliveira, secretário de educação do município de Macaíba, RN.

O movimento “Cidade educadora”, lembra Domingos, ganhou força nos anos 80 com o primeiro congresso internacional realizado na cidade de Barcelona, na Espanha. Nesse encontro, o grupo de cidades pactuou um conjunto de princípios centrado no desenvolvimento de seus habitantes, que orientam a administração pública.

Seguindo os princípios estabelecidos, a cidade educadora deve preocupar-se prioritariamente com as crianças e jovens, mas buscar também incorporar pessoas de todas as idades numa formação ao longo da vida. “Este princípio, que representa o grande marco da concepção das cidades educadoras, está intimamente ligado com a educação integral”, diz o secretário e sociólogo Domingos Sávio.

Macaíba e a cidade educadora

Cidade educadora e educação integral são dois conceitos que se complementam e certamente não conseguem existirem separadamente de forma eficaz – a educação integral pressupõe um contexto comunitário educador, e uma cidade educadora pressupõem uma educação abrangente e completa.

A cidade de Macaíba, de acordo com informes de sua secretaria de educação, tem procurado avançar na interação escola/comunidade visando o desenvolvimento do aluno, de todos os envolvidos no processo, e do próprio município. Segundo a secretaria, a educação integral compreende “o desenvolvimento dos envolvidos nas dimensões intelectual, física, emocional, social e cultural, dentro de um projeto coletivo que seja compartilhado por crianças, jovens, famílias, educadores, gestores e comunidades”.

Nesse sentido, a equipe da pasta, que conta também com a participação da professora Karina Dantas, assessora de Articulação de Projetos Especiais, entende que o espaço geográfico é de fundamental importância. Considerado território educativo, o espaço geográfico, e tudo que está ligado a ele, em torno da escola passa a fazer parte do conteúdo curricular. O aluno, por sua vez, se torna o protagonista de seu próprio aprendizado, já que a verdadeira educação integral pressupõe o desenvolvimento da capacidade autônoma do estudante.

No esforço para a construir essa nova política de educação, a prefeitura de Macaíba estabeleceu parcerias com a Fundação SM, o Centro de Estudo e pesquisa em Educação Comunitária (Cempec) e o Centro de Referência em Educação Integral. O objetivo é a formação de equipe técnica da própria Secretaria e o apoio, como suporte, na construção da Política de Educação Integral do município, contemplando o currículo da rede e a atualização do projeto político pedagógico de todas as escolas.

A cidade de Macaíba, segundo informa a secretaria, tem investido em projetos com  temas amplos que são pensados a partir de questões pontuais. No ano de 2018, por exemplo, o tema foi “Saberes e sabores da Cultura nordestina” – que tratou das riquezas e das raízes culturais da região.

Neste ano de 2019, o tema trabalhado é  o “Universo circense na Educação: cultura, arte e literatura aliados por uma escola melhor”. Um conjunto de ações foi pensado para valorizar o trabalho do tema nas escolas municipais: lançamento do prêmio “Lugar de Circo é na Escola”; concurso “Assim eu vejo a alegria”; concurso literário “Escrevendo a memória do Circo”; 1º Festival de Teatro Escolar.

A Secretaria de Educação também promoveu a 2ª Gincana Literária (premiando as três escolas vencedoras com uma viagem a João Pessoa/PB), e a 6ª Semana Literária de Macaíba reunindo mais de 10 mil pessoas na Praça Paulo Holanda Paz, no centro da cidade.

 


Secretário Domingos Sávio de Oliveira (Foto: O RN tem)
Mostrar mais
Veja Também


Mais Blogs
Mais Recomendadas